1

7 dicas para ter sucesso em um projeto de desenvolvimento de software

Para iniciar as participações no blog da Tegra, Fábio Carneiro CEO da qx3 fala sobre desenvolvimento de software, inovação e equipe!

Você já parou para pensar no porquê o desenvolvimento de projetos de software é uma tarefa tão árdua? Até mesmo as taxas de sucesso de complexos projetos de engenharia são mais altas. E por que isso acontece?

Nos últimos 20 anos venho buscando entender isso e desenvolver maneiras de resolver essa questão na qx3. Nem por isso tenho todas as respostas, mas tenho algumas delas! E é isso que quero compartilhar aqui.

Anualmente o Standish Group publica o relatório CHAOS, que analisa a taxa de sucesso de um projeto de software. Ano após ano as taxas de insucesso continuam alarmantes.

Em 2015 para piorar o cenário eles mudaram o famoso conceito de sucesso de projeto de “no orçamento, no tempo e com o escopo definido” para “no orçamento, no tempo e com o cliente satisfeito” e só com essa mudança fez a taxa cair 7% em relação ao ano anterior.

Como podemos mudar isso? Aqui vão algumas maneiras que descobri serem muito efetivas depois de tomar muito na cabeça.

1. Mude a cabeça! Seja ao mesmo tempo desenvolvedor e cliente

Seja nas relações pessoais ou profissionais, o principal problema que temos é não conseguir se colocar no lugar do outro. E quando estamos falando no desenvolvimento de um projeto nada é mais importante.

Desenvolver um software é transformar uma ideia em algo real e funcional.

E para garantir o sucesso de um projeto é necessário estabelecer uma relação de confiança com o “demandante”.

Pensar com a cabeça do “cliente” é sair da caixa. Sair fora dos bits e bytes, entender os objetivos funcionais que aquele software irá resolver. Aqui, ainda não é o momento de demonstrar sua capacidade técnica. Primeiro você precisa conseguir entender muito claramente as necessidades a serem atendidas.

2) Seja transparente! E conquiste a confiança do seu cliente

Projetos de software tem um alto grau de incerteza. E temos que saber lidar com isso.

Se ao primeiro problema temos sempre vontade de jogar a sujeira para debaixo do tapete para não frustrar o “cliente” e pensarmos que iremos conseguir recuperar o prejuízo lá na frente, geraremos quase sempre a famosa bola de neve, fazendo o projeto e o relacionamento com o “cliente” naufragar.

Lembre-se, a boa relação com seu cliente é a melhor maneira de manter um projeto com alta eficiência.

3) Esteja preparado! Seu planejamento vai dar errado

Você pode fazer um planejamento maravilhoso, com cronogramas, documentos, wireframes e isso vai aumentar muito as chances de sucesso do projeto. Mas infelizmente em um projeto de software, existem muitas variáveis que não conseguimos controlar. E você precisa se preparar para mudar sempre que necessário.

Depois de muito tempo trabalhando com diferentes equipes, entendo que a melhor característica de um profissional de TI é de reagir bem em relação aos problemas/mudanças.

Um caso emblemático e triste que aconteceu comigo, foi de um projeto bem complexo que fizemos para o mercado financeiro. Tínhamos que desenvolver um motor para processar e distribuir mais de 100.000 mensagens por segundo de cotação da bolsa de valores.

Fiz uma busca no mercado por um profissional que tinha experiência nesse tipo de solução e consegui contrata-lo após uma grande negociação.

O projeto estava com um bom andamento no seu terceiro mês, mas de um dia para o outro esse profissional sofreu um acidente de carro e faleceu.

Foi um dia muito triste para a qx3!

E aí? O que fazer nesse momento? Hoje entendo que não tomei a melhor decisão…

Quis manter o desenvolvimento com o resto da equipe, que apesar de ser bastante capaz, não tinha experiências anteriores nesse tipo de serviço.

A melhor solução seria a renegociação com o cliente, ajustando novas expectativas ou melhor ainda, cancelar o projeto até encontrar um novo profissional.

Precisamos saber nos adaptar sempre.

“Não é o mais forte que sobrevive, nem o mais inteligente. Quem sobrevive é o mais disposto à mudança” — Charles Darwin, biólogo

4) Inove quando possível! E saiba também seguir um caminho tecnológico seguro

Nós desenvolvedores adoramos inovar! E isso é ótimo. Somos movidos pela constante evolução da tecnologia. Mas precisamos saber dosar isso.

Sempre temos a vontade de escolher aquela tecnologia que acabou de sair do forno e que não tem projeto nenhum funcionando nela.

A melhor tecnologia a ser escolhida é a que seu time tem experiência comprovada!

Sem dúvida em alguns momentos precisamos arriscar, mas para isso faça um projeto piloto antes! De preferência um projeto de curta duração e que não gere muito problema se for atrasar e principalmente custar mais…

5) Conheça o usuário final! Não inicie o projeto enquanto não tiver acesso a eles

Não entendo bem o motivo, mas principalmente em grandes empresas ainda existe uma cultura de não envolver no projeto os usuários finais que usarão o software depois de pronto. Acredito que essa possa ser uma das principais falhas de um projeto de software. Existem “áreas meio” dentro dessas empresas que acham que sabem tudo sobre o projeto, mas na grande maioria das vezes não é isso que acontece. Normalmente projetos demandados diretamente pelas área de TI e de Marketing são os mais fáceis disso acontecer…

Não falar com usuário final pode fazer fracassar projetos de várias formas. Os fracassos mais usuais são:

  1. Completa falta de aderência à necessidade do usuário. O software não resolve o problema.
  2. Usabilidade não pensada para o perfil do usuário gerando uma baixa ou nula adoção
  3. Alto índice de refatoração gerando problemas estruturais como a falta de performance
  4. Escolha errada de tecnologias e de dispositivos para o uso

Temos conseguido resolver esse problema em alguns clientes mais abertos a novos conceitos, dividindo o projeto em duas etapas. Uma etapa inicial que chamamos de consultoria de UX (User Experience), onde fazemos um trabalho profundo de pesquisa, planejamento e validação do software com os usuários, e a execução em um modelo ágil em que os usuários consigam validar as nossas entregas de forma periódica. (períodos não maiores do que 10 dias úteis).

startup business people group working together everyday job at modern office

6) Não pule as entregas! É melhor ter 1 funcionalidade 100% do que 10 em 70%

No decorrer de um projeto somos sempre surpreendidos por inúmeros impedimentos ou dificuldades que fazem com que a gente não consiga andar mais na atividade atual planejada. Os impedimentos mais comuns são uma falta de aprovação de um artefato, uma definição pendente pelo demandante, uma tecnologia escolhida que não se comportou como o esperado ou um serviço de fornecedor externo que não ficou pronto a tempo.

Normalmente nesses momentos tomamos a linda decisão de parar o que estamos fazendo e passamos para uma próxima atividade sem impedimentos, deixando para trás a anterior daquele jeito… Quando o impedimento for solucionado, voltamos para atividade em questão sem lembrar de nada de como estávamos fazendo. E também vamos ter aquele impulso de fazer diferente porque já aprendemos uma outra forma mais inteligente de fazer, deixando para trás várias horas não planejadas.

Outro ponto importante é que para um programador reutilizar código é sempre o melhor dos mundos! E fazemos isso o tempo todo! Mas em projetos dessa natureza isso pode se tornar no seu calcanhar de aquiles. Principalmente por ter várias atividades não testadas e validadas pelo usuário, iremos reutilizar código não testado o que gera o famoso “débito técnico”!

Minha sugestão é fazer uma gestão muito eficiente desses impedimentos, não faça corpo mole, corra atrás da resolução. Caso não consiga uma solução a curto prazo, é recomendado parar o projeto renegociando custos e prazo.

7) Faça sua equipe brilhar! E Incentive os pontos fortes dela

Nós, seres humanos, temos o terrível hábito de criticar mais do que elogiar. Eu mesmo busco diariamente mudar isso. Além desse nosso modelo mental, ainda está muito ativo na nossa cultura empresarial, sistemas de avaliação que são totalmente focados em discutir, melhorar e traçar metas para evoluir os pontos fracos.

Hoje vejo que é muito mais fácil melhorar cada vez mais os pontos fortes do que os fracos e o retorno é muito maior!

Então escolha bem o seu time pensando nos pontos forte de cada um!

Faça-os focar no que têm de bom e crie alternativas para mitigar os riscos dos pontos fracos.

Faça uma divisão de responsabilidades eficiente!

Explore o que cada um tem de melhor e veja já a curto prazo os benefícios de uma equipe motivada e eficiente.

Gostou? Deixei seu comentário!

 

Leia Mais

APIs

APIs: uma visão prática

Imagine que você precisa fazer um sistema ou aplicativo para melhorar os processos de sua empresa. Neste sistema é necessário cadastro de usuário, informações de calendário, gestão de contatos, rotas para chegar a um destino e gestão de tarefas.

Para desenvolver tudo isto, você vai gastar muito tempo, muito dinheiro e as chances de ter problemas são grandes.

Agora, pensando no mesmo cenário imagine que:
* Seu cadastro de usuário será feito através da integração de Login com o Google/Facebook/Twitter
* Seu calendário na verdade irá utilizar a API de calendário do Google ou Microsoft
* Sua gestão de contatos utilizará a API do FullContact (https://www.fullcontact.com/)
* Rotas ficarão resolvidas através das integrações com Wase ou Google Maps
* Gestão de tarefas ficará integrado com o Toodledo, RunRunIt ou Asana

Viu? Você iria utilizar o melhor de cada serviço, concentrados em seu sistema ou app com menor esforço e menor risco.

Esta é a vantagem da API: dar poder aos sistemas consumindo os serviços já consolidados e maduros e evoluindo suas funcionalidades.

O uso de APIs

Abaixo seguem algumas APIs mais utilizadas na web:

  • Facebook – login, timeline, contatos e todo o potencial da rede social é usada (e abusada) por muitos sistemas
  • Google Maps – sistemas de roteirização, aplicativos terceiros e outros usos tornam esta API bastante disputada
  • Twitter – assim como o Facebook seu uso é comum e, uma curiosidade é que ela foi a primeira API embarcada no iOS
  • Youtube – pensou em hospedagem de vídeo e uso em outras frentes, pensou em Youtube
  • Linkedin – o Linkedin e suas APIs são muito utilizadas para sistemas corporativos e geradores de estatísticas do mercado
  • Pinterest – ganhando força, a plataforma de imagens está sendo bastante usada para análise de audiência

E tantas outras que estão em nosso dia e que acabam passando desapercebidas:

  • Cotação de moedas
  • Previsão do tempo
  • Tradução em tempo real
  • Horário em outros países
  • Consulta de CEP (Correios)
  • Pesquisa de hotéis e viagens (Decolar.com, CVC, Booking.com)

Confiabilidade

O que determina a qualidade de uma API é sua estabilidade. Mudanças que um desenvolvedor precisa fazer em uma API que é consumida por múltiplos clientes deve ser feita de forma a evoluir a mesma e não quebrar seu contrato prejudicando quem utiliza tais informações.

Quando tais “quebras” forem inevitáveis devem ser avisadas com antecedência, além de boa documentação de como corrigir e consumir o novo serviço.

APIs na Web e seus usos

  • REST – mais simples e mais leve, usado em ambientes de maior limitação de recursos de rede e processamento
  • SOAP/WSDL – maior confiabilidade e segurança, além de manter informações entre as chamadas, porém é mais pesado e requer maior processamento
  • Entre outras.

Segurança
Agora que você viu o poder da API e achou que é interessante também compartilhar o uso de seus sistemas para o público você pode se perguntar: é seguro?

Para responder a esta pergunta é necessário considerar 4 características que devem ser analisadas na criação e exposição de uma API: autenticação, autorização, federação e delegação.

  • Autenticação: é a camada de segurança que gerencia especificamente a identidade de quem requisita o serviço. Esta identidade pode ser feita através de usuário/senha, chave pública, ID, etc. O objetivo aqui é saber quem é o seu requisitante.
  • Autorização: continuação da autenticação. Uma vez que eu reconheço quem é meu requisitante, eu preciso conceder quais acessos este usuário poderá ter. Assim eu limito que um robô que se disfarçou de um requisitante conhecido possa acessar serviços que tal usuário não deva acessar.
  • Federação: é a capacidade de um requisitante reutilizar suas credenciais várias vezes. Após a primeira autenticação, o requisitante ganha um TOKEN que é usado dali em diante até o tempo de expiração deste TOKEN.
  • Delegação: a delegação já se refere ao número de operações que o TOKEN gerado poderá executar antes de sua expiração.

OAuth e OpenID são exemplos de padrões que implementam os critérios acima de segurança.

Boas práticas na exposição de APIs

  • Mapear dados de acordo com necessidades do consumidor e não pensando em seu modelo de dados
  • Mensagens de erros que façam sentido ajudam muito
  • Disponibilizar uma documentação sólida da API reduz a necessidade de ajuda externa
  • Utilizar uma API de segurança apropriada
  • Tenha um ambiente de testes (playground)
  • Alimente um bom FAQ
  • Crie um canal de comunicação com o desenvolvedor
  • Deixe claro preços, tipo de acesso e limitações de uso
  • Mantenha um histórico
  • Invista em um roadmap e novas funcionalidades
  • Destaque projetos que usam a API

Más práticas na exposição de APIs

  • Limitar o uso do sistema é algo terrível de se fazer
  • APIs que requerem mais de uma chamada para realizar uma única são péssimas
  • Retornar HTML como resposta
  • Os efeitos colaterais dos erros 500 são infernais

O Futuro das APIs

Com a evolução da Internet das Coisas (IoT), cidades estarão conectadas e cada vez mais estas informações serão utilizadas pelas empresas para análise de risco de seu negócio.

Exemplos:

  • uma seguradora que tenha informação de como uma pessoa dirige seu carro através de sensores que digam o consumo de combustível, o uso de freios e pneus pode determinar o grau de risco de acidente deste motorista;
  • um convênio médico pode saber do estado de saúde do seu conveniado através de APIs de vestíveis como Nike Fuel+ ou GPS da Tomtom;
  • sensores da Nest são capazes de detectar a velocidade com que o fogo está tomando o ambiente logo no início e, com uma estratégia de API pública o que pode acionar os bombeiros.

Conclusão
Vários mercados estão cada vez mais utilizando APIs e também gerando APIs para consumo da comunidade.

No mercado financeiro por exemplo boas APIs estão surgindo tais como:

  • Nubank: tokens para operação e carteiras digitais como Apple Pay, Android Pay e Samsung Pay
  • Paypal / Pagseguro / Moip: Clientes, Pedidos, Pagamentos, Saldo, etc.
  • Bradesco / Itaú: boletos, conciliação bancária, extratos, compensação de cheque
  • Mercado Livre: conciliação bancária
  • Correios: tracking de mercadoria

Também é bastante comum a exposição de pequenos serviços do ERP das empresas na internet com o objetivo de gerenciar equipes externas, conexões com fornecedores e canal diretos com os clientes usando APIs.

A Tegra tem desenvolvido algumas APIs em seus clientes de uso entre os canais de distribuição de seus parceiros (fornecedores, representantes e distribuidores) o que tem proporcionado agilidade e autonomia, gerando diferencial competitivo para nossos clientes.

Os principais desafios das APIs já foram superados como performance, segurança e robustez. Temos uma poderosa ferramenta para criar novos canais para as empresas.

Até a próxima!

Leia Mais

tecnologia

Tecnologia como Investimento: O Primeiro Evento da Tegra

O principal foco do nosso primeiro evento foi como tornar o setor de TI mais estratégico nas empresas e como esse setor pode ser decisivo para os negócios. E o resultado não poderia ter sido melhor: representantes de mais de 30 empresas de Sorocaba e região estiveram presentes, participando, aprendendo e dando sua opinião para a melhoria da visão do TI.

Os Palestrantes – Visões diferentes com foco em Tecnologia

André Campos, CIO da unidade de negócios do Assaí Atacadista do Grupo Pão de Açúcar foi o primeiro palestrante da noite. Ele abordou o tema “A Tecnologia da Informação Estratégica nas Organizações” enfatizando a importância do TI ser inteligente, estratégico e, principalmente, ter um bom parceiro de negócio. A Tegra faz esse papel para seus clientes, oferece parceria qualificada e está pronta com o melhor da tecnologia para levar soluções e fazer predições determinantes para o bom andamento da empresa.

Untitled design

Flávio Magalhães, engenheiro e vice-presidente responsável pelas operações brasileiras da Flex falou sobre “Criar Oportunidades em Tempos de Crise: a Tecnologia pode colaborar”. Para ele, a gestão da informação ajuda na projeção e recuperação de vendas, redução de custos e tempo, identificação de investimento em potencial em novos produtos, regiões e segmentos.

Nosso mestre de cerimônia foi o jornalista Cesar Barroso.

Lançamento KOB.bi

A noite também foi de lançamento! Nossa nova aplicação em business intelligence, o KOB.bi foi oficialmente lançado. O KOB é a melhor ferramenta para todos os tipos de negócio que necessitam de análise de dados de forma simples através de gráficos na web ou celular. Acesse www.kob.bi e confira você também!

Untitled design (1)

Debate e Networking

Depois de muito conhecimento através das palestras, todos os convidados se expressaram em um debate. Novas ideias, opiniões e experiências foram expostas o que contribuiu ainda mais para que todos os envolvidos tivessem cada vez mais noção do quanto a tecnologia é o principal ponto de partida rumo ao sucesso.

Para finalizar com chave de ouro, todos foram convidados a jantar e tiveram tempo para networking.

Realização

Conhecemos e reforçamos os laços com pessoas incríveis! Estamos felizes em levar informação e entretenimento para nossos clientes, parceiros e convidados em geral. Acreditamos firmemente na tecnologia e na inovação como principais responsáveis pela revolução interna que leva empresas ao topo.Untitled design (2)

Incentivamos todo o setor de TI a ser mais estratégico, fazer bons parceiros e saber interpretar informação da maneira mais coerente possível e, todo o feedback recebido durante e após nosso evento nos provou que estamos no caminho certo.

Deseja transformar seu negócio? Envie um e-mail para contato@tegra.me

O G1 fez uma matéria sobre nosso evento. Olha só!

Veja todas as fotos do nosso evento em nossa fanpage!

 

 

Leia Mais

programa_estagio

Programa de Estágio 2º Semestre/2016 – Vagas Abertas

Você tem sede por aprendizado e quer ir além colocando o conteúdo visto na faculdade em prática? Gosta de programar, aprende com facilidade e tem boa leitura em inglês? Então, queremos você!

A Tegra está a procura dos melhores estagiários a fim de transformá-los nos melhores profissionais de Sorocaba e região.

Programa de Estágio 2º Semestre/2016

O programa de estágio da Tegra abriu vagas para estudantes interessados e comprometidos que irão participar diariamente de projetos e tarefas reais acompanhado por um desenvolvedor-mentor.

O estagiário será guiado com feedbacks constantes, pair programmings e code reviews.

O aprendizado do estagiário englobará:

  • boas práticas de desenvolvimento,
  • desenvolvimento front-end,
  • desenvolvimento back-end,
  • aplicação de conceitos e utilização de tecnologias atuais.

Entre os benefícios estão bolsa estágio, vale-refeição, 6h/dia de trabalho e horário flexível.

Sobre a Tegra

Somos um time inovador que utiliza desenvolvimento ágil de software com o objetivo de criar soluções para problemas reais. Construímos software sob medida, aplicativos móveis e aplicações desktop.

Entre nossos clientes estão o Grupo Pão de Açúcar, Assaí Atacadista, Pepsico, Globo e outros. Tudo isso em um ambiente dinâmico e altruísta que tem desenvolvido cada vez mais as competências dos nosso colaboradores e parceiros.

Como Participar?

Se interessou? Então, entre em contato agora mesmo através do e-mail estagio@tegra.me com assunto ‘fullstack padawan’ e não perca essa oportunidade!

Leia Mais

postagem003

Tegracast 003 – A liderança e seus impactos no meio corporativo

Este é o Tegracast #3, e nele, Willian Polis conversa com Heloisa Santesso, que é coach, formada em Comunicação pela ESAMC de Sorocaba, MBA em Gestão de RH sobre a liderança, tema tão comentado, mas sempre atual. Vamos lá?

Comentado no episódio:

 

  • Contexto do Problema
    • Enfrentamos no cenário atual falta de lideranças?
    • Que impactos esta falta de liderança gera nas empresas?
    • Como a equipe é afetada pela falta da liderança
    • E quais benefícios da liderança atuante
  • Características Pessoais
    • Quais as características de um bom líder
    • Como um bom líder deve fazer para se manter atualizado frente a tantas inovações
    • Quanto de conhecimento técnico é necessário ter para ser um líder?
    • Delegar é uma arte?
  • Trabalho em Equipe
    • Nova liderança: como analisar e entender a equipe
    • Como mensurar Produtividade da equipe
    • Grupo x Equipe ou Time?
    • Inovar x Sustentar … como equilibrar esta balança
    • Programas de Trainee, premiação por inovar, tirar certificados, trazer novas ideias?
  • Liderança Estratégica
    • Parceiros
    • Ferramentas
    • Metodologias
    • Posicionamento frente a diretoria
  • Carreira
    • Passos para construir sua carreira para tornar-se um bom líder
    • Dicas, sugestões, criticas para nosso ouvinte

Referências

Feed do Tegracast

Assine o feed do Tegracast e receba automaticamente os novos episódios do nosso podcast no seu iTunes, smartphone, tablet ou no seu agregador favorito de feeds. É grátis e você estará sempre atualizado com o melhor conteúdo sobre tecnologia e negócios!

Ouça o Tegracast em nossos parceiros:

TuneIn(web, iOS, Android e Windows Phone)

Deezer(web)

Ouvindo Podcast(web)

Podflix(web)

Teiacast(web)

Youtuner(web)

iTunes Store(web)

 

Envie seu feedback!

Para que o Tegracast fique cada vez melhor, envie agora mesmo seu feedback sobre este episódio! É só enviar um e-mail para tegracast@tegra.me com suas sugestões, comentários, críticas, ou dicas de assuntos que você quer ouvir no Tegracast.

Se preferir, você pode deixar um comentário aqui embaixo. Mas lembre-se de dizer seu nome, idade e de onde está falando! Será um grande prazer ouvir suas opiniões!

Edição e Sonorização

O Tegracast é editado por Studio Fundação. Abraço especial para o Bruno Lombardi que caprichou nesta edição.

 

Trilha Sonora

Urbana-Metronica (wooh-yeah mix) by spinningmerkaba (c) 2011 Licensed under a Creative Commons Attribution (3.0) license. http://dig.ccmixter.org/files/jlbrock44/33345 Ft: Morusque, Jeris, CSoul, Alex Beroza

 

“Just Nasty” Kevin MacLeod (incompetech.com)

Licensed under Creative Commons: By Attribution 3.0 License

http://creativecommons.org/licenses/by/3.0/

 

“Cold Funk” Kevin MacLeod (incompetech.com)

Licensed under Creative Commons: By Attribution 3.0 License

http://creativecommons.org/licenses/by/3.0/

 

Wholesome 7 by Dave Depper is licensed under a Attribution-NonCommercial 3.0 International License.

Based on a work at http://www.needledrop.co/artists/dave-depper/

Permissions beyond the scope of this license may be available at http://needledrop.co.

 

“Life of Riley” Kevin MacLeod (incompetech.com)

Licensed under Creative Commons: By Attribution 3.0 License

http://creativecommons.org/licenses/by/3.0/

 

“Slow Burn” Kevin MacLeod (incompetech.com)

Licensed under Creative Commons: By Attribution 3.0 License

http://creativecommons.org/licenses/by/3.0/

 

You Um, I’ll Ah by Doctor Turtle is licensed under a Attribution License.

 

Candy by Jahzzar is licensed under a Attribution-ShareAlike License.

Permissions beyond the scope of this license may be available at betterwithmusic.com or contact artist via email.

 

Crying Walls by Robbero (c) 2012 Licensed under a Creative Commons Attribution Noncommercial  (3.0) license. http://dig.ccmixter.org/files/Robbero/40041

 

“Funkorama” Kevin MacLeod (incompetech.com)

Licensed under Creative Commons: By Attribution 3.0 License

http://creativecommons.org/licenses/by/3.0/

 

“That’s a Wrap” Kevin MacLeod (incompetech.com)

Licensed under Creative Commons: By Attribution 3.0 License

http://creativecommons.org/licenses/by/3.0/

 

“Protofunk” Kevin MacLeod (incompetech.com)

Licensed under Creative Commons: By Attribution 3.0 License

http://creativecommons.org/licenses/by/3.0/

Leia Mais

CLICK TO LIKE

Aprendendo a programar: 7 sites grátis

Não é necessário ser expert em tecnologia para ter uma ideia inovadora e que pode facilitar a vida, mas é preciso conhecimento para transformá-la em realidade!

Você sabia que dá para aprender programação online e gratuitamente? É preciso dedicação e determinação e nós separamos os melhores sites para esse desafio. Veja!

1. Microsoft Virtual Academy

Àqueles que querem desenvolver produtos Windows. Disponível em português!

2. Code.org
No Code.org crianças a partir de quatro anos são convidadas a aprender programação. Matérias lúdicas com auxílio de filmes e jogos.

3. Coursera
O curso Ciência da Computação 101 tem uma introdução em português e é liderado por um professor da Universidade de Stanford (EUA).

student-typing-keyboard-text-woman-startup

4. CodeAcademy
Disponível apenas em inglês, a CodeAcademy é a plataforma de programação mais utilizada no mundo! Os cursos passam por linguagens como HTML, CSS, JavaScript, JQuery, PHP, Python e Ruby.

5. EdX
MIT e Universidade de Harvad são as criadoras do EdX. São mais de sessenta cursos para programadores iniciantes!

6. Code Avengers
Mais uma opção em português, o foco do Code Avengers é o desenvolvimento de jogos, aplicativos e sites.

7. Khan Academy
Pioneira no ensino gratuito em programação, a Khan Academy conta com vídeos didáticos sobre as várias etapas da programação de jogos e animações.

Sabe de mais algum site para jovens programadores? Conte pra gente!

Veja também O Guia Completo do Home Office!

Leia Mais

tendências tecnológicas

Tendências Tecnológicas de Alto Impacto para 2016

O Gartner Group empresa desenvolvedora de tecnologia e que tem mais de 35 anos de história listou as dez principais tendências tecnológicas de 2016. Olha só!

1. Malha de dispositivos – Refere-se a “um extenso conjunto de pontos utilizados para acessar aplicativos e informações ou para interagir com pessoas, redes sociais, governos e empresas. Ele inclui dispositivos móveis, wearables (tecnologias para vestir), aparelhos eletrônicos de consumo e domésticos, dispositivos automotivos e ambientais – tais como os sensores da Internet das Coisas (IoT).”

Com foco no usuário móvel o conceito visa interação entre dispositivos sem interferência humana, ou seja, M2M ou máquina a máquina. Maior tráfego de informações impactando diretamente na infra de empresas e operadoras.

2. Experiência ambiente-usuário – A mistura dos ambientes físico, virtual e eletrônico independente de onde o usuário se encontra de maneira contínua. Isso é possível e aprimorado de tempos em tempos de acordo com a malha de dispositivos. Experiência fuida explorando diferentes dispositivos.

3. Impressão 3D – Mesmo não sendo mais nenhuma novidade, a impressão 3D ainda dará muito o que falar em especial por sua prevista expansão de materiais a serem impressos que abrangerão setores que irão além do médico, automotivo, aeroespacial, de energia e militar. A média de crescimento é de 64,1% até 2019 resultando em reformulação de processos e cadeia de suprimentos.

4. Informação de tudo – Mais do que identificar informação seja em vídeo, áudio ou texto, trata-se de organização. Juntar pedaços, organizá-los de maneira a serem úteis ou não seja qual for sua fonte. Conexão de dados de diferente fontes.

5. Aprendizagem avançada de máquina – Ainda sobre fontes complexas e dados incompletos a ação manual se torna inviável. DNN ou Redes Neurais Profundas torna o aprendizado de máquinas possível que se conectam com recursos em seu ambiente fazendo a gestão de informação de maneira praticamento autônoma.

hands-coffee-cup-apple-1

6. Poder de decisão – Poder para resolver problemas e controlar situações de risco. Perfil que vai além do currículo e que exige visão ampla de negócios e tomada de decisão.

6. Agentes e equipamentos autônomos – Em vez de interagir com menus, formulários e botões em um smartphone, o indivíduo fala com um aplicativo, que é realmente um agente inteligente.

7. Relacionamento – Relacionar-se bem profissionalmente falando continua em alta. O que os outros profissionais e empresas por onde passou relatam a seu respeito pode ser determinante definindo os traços de personalidade e comportamento.

8. Arquitetura de sistema avançado – A malha digital e as máquinas inteligentes requerem demandas intensas de arquitetura de computação para torná-las viáveis para as organizações. Isso aciona um impulso em arquitetura neuromórfica ultraeficiente e de alta potência. Alimentada por matrizes de Portas Programáveis em Campo (FPGA) como tecnologia subjacente, ela possibilita ganhos significativos, como a execução em velocidades de mais de um teraflop com alta eficiência energética.

9. Aplicativo de rede e arquitetura de serviço – Designs monolíticos de aplicação linear, como arquitetura de três camadas, estão dando lugar a uma abordagem integrativa de acoplamento mais informal: aplicativos e serviços de arquitetura. Ativada por serviços de aplicativos definidos por software, essa nova abordagem permite desempenho, flexibilidade e agilidade como as da web.

Equipes de aplicativos devem criar arquiteturas modernas para fornecer utilitários baseados em nuvem que sejam ágeis, flexíveis e dinâmicos, com experiências de usuário também ágeis, flexíveis e dinâmicas abrangendo a malha digital.

10. Plataformas de Internet das Coisas (IoT) – As plataformas de IoT complementam o aplicativo de rede e a arquitetura de serviço. Gerenciamento, segurança, integração e outras tecnologias e padrões da plataforma são um conjunto básico de competências para elementos de criação, gestão e fixação na Internet das Coisas.

Essas plataformas constituem o trabalho que a equipe de TI faz nos bastidores, de um ponto de vista arquitetônico e tecnológico, para tornar a IoT uma realidade. A Internet das Coisas é parte da malha digital, que inclui a experiência do usuário, e o ambiente do mundo emergente e dinâmico das plataformas é o que a torna possível.

E ai, quais são as suas apostas em tecnologia e inovação para esse ano? Conta pra gente!

Estamos também no LinkedIn.

Leia Mais

post002_750

Tegracast 002 – Expansão do seu negócio no mercado internacional

No segundo episódio do  Tegracast, Willian Polis convida Karla Camargo, Gerente de Projetos do Great Toronto, iniciativa do governo canadense para levar empresas do Brasil, Colômbia e Chile para expandir seus negócios no Canadá. Vamos lá?

Comentado no episódio:

  • Quais os principais desafios para quem quer expandir seu negócio no mercado internacional?
  • Qual é o momento certo para uma empresa pensar nesta expansão internacional?
  • Caminho a ser trilhado antes de pensar em expansão: principais considerações
  • Pesquisa de mercado, público-alvo, teste de aderência de mercado…
  • Vontade ou necessidade: diferença para expandir com segurança
  • Quais os principais mercados que fazem esta expansão (TI, Varejo, Indústria, Alimentos, etc.)?
  • Normalmente, quais os maiores erros cometidos neste processo?
  • Quanto tempo leva em média o BreakEven desta expansão?
  • Máxima lucratividade – o comparativo deve ser de acordo com o que se fatura na “matriz” ou de acordo com o mercado local?
  • Micro-multinacionais: pequenas companhias que operam globalmente
  • Quais sugestões você (o convidado) dá para quem está pensando em abrir uma filial internacional?
  • Órgão reguladores a serem procurados
  • Benefícios adquiridos com o governo local: por exemplo, redução no pagamento de tributos, isenção de impostos e taxas, facilidade no acesso ao crédito, doação de terrenos para construção de filiais dentre outros recursos.
  • Dumping e cartéis

 

Referências

Feed do Tegracast

Assine o feed do Tegracast e receba automaticamente os novos episódios do nosso podcast no seu iTunes, smartphone, tablet ou no seu agregador favorito de feeds. É grátis e você estará sempre atualizado com o melhor conteúdo sobre tecnologia e negócios!

Ouça o Tegracast em nossos parceiros:

TuneIn (web, iOS, Android e Windows Phone)

Ouvindo Podcast (web)

Podflix (web)

Teiacast (web)

Youtuner (web)

Envie seu feedback!

Para que o Tegracast fique cada vez melhor, envie agora mesmo seu feedback sobre este episódio! É só enviar um e-mail para tegracast@tegra.me com suas sugestões, comentários, críticas, ou dicas de assuntos que você quer ouvir no Tegracast.

Se preferir, você pode deixar um comentário aqui embaixo. Mas lembre-se de dizer seu nome, idade e de onde está falando! Será um grande prazer ouvir suas opiniões!

Edição e Sonorização

O Tegracast é editado por Rádiofobia Podcast e Multimídia.

Leia Mais

O guia completodo

Home Office: o guia completo para quem quer trabalhar em casa

De 20% a 40% acima da média, esses são os números em produtividade dos profissionais que trabalham home office. Trabalhar em casa é prática que tem cada dia mais adeptos. Gigantes da tecnologia como a IBM permitem que seus funcionários morem onde quiserem e eles estão espalhados por todo o mundo trabalhando direto de suas casas, de maneira remota porém conectada.

Mas, quais as vantagens de trabalhar em casa? A empresa não se prejudica? Como ter disciplina para aderir à prática? Onde encontrar um trabalho assim? Continue lendo e descubra!

Vantagens para o funcionário

Dentre as principais vantagens que o funcionário encontra na prática estão:

1. Proximidade da família: a correria do dia a dia tem distanciado as famílias e, trabalhar de casa pode ser uma solução.

2. Menos estresse: trânsito, ônibus, metrô lotado… Se depender desses fatores o profissional que faz home office já pode se considerar muito mais relaxado.

3. Alimentação mais saudável: o tempo que seria gasto no trajeto para o trabalho pode ser usado na preparação de refeições mais saudáveis e fresquinhas.

4. Tempo para se exercitar: com uma agenda mais flexível fica mais fácil aderir aos exercícios físicos diários resultando em mais saúde e disposição.

No âmbito profissional:

1. Definição do horário de trabalho: algumas pessoas “funcionam” melhor durante a manhã e tarde, outras tarde e noite, outras ainda, de madrugada. O home office permite tal flexibilidade desde que bem planejada, obviamente.

2. Maior controle de atividades e autonomia: com disciplina, o profissional tem maior controle sobre si e suas atividades diárias.

3. Privacidade: se bem estruturado, o home office pode trazer maior privacidade e comodidade.

Vantagens para a empresa

1. Economia em contratações e estrutura: tendo a opção de contratar profissionais independentes, a empresa tem menos gastos vindos da contratação em carteira e também menores despesas como aluguel, água, luz e etc.

2. Atendimento ao cliente fora do horário comercial: tendo colaboradores que se desenvolvem melhor em diferentes horários do dia a empresa pode dispor de atendimento 24hs para os clientes sem sobrecarregar ninguém.

3. Vantagens fiscais: para microempresas existe até a isenção de IR.

É preciso disciplina!

Obviamente, nenhuma das vantagens citadas se concretizam de maneira desordenada. É preciso disciplina, dedicação e muito empenho para evitar problemas como falta de foco, excesso de carga de trabalho, indefinição de horário de trabalho, isolamento social e assim por diante.

Para que o home office não se torne um problema é necessário que todos na casa estejam cientes e colaborem para que não haja invasão de privacidade e, para que também não percam a liberdade que teriam caso o profissional trabalhasse fora.

57721 Bitte verwenden Sie das Motiv nur mit Quellenangabe Foto: djd/Deutsche Vermoegensberatung/thx. Verstoesse gegen das Urheberrecht muessen wir juristisch verfolgen. Bilder duerfen nur mit vollstaendiger Quellenangabe und im Zusammenhang mit dem jeweiligen Text genutzt werden. Wer Urheberrechte verletzt, muss mit erheblichen zivil- und strafrechtlichen Konsequenzen rechnen. Bitte immer bei Verwendung Abdruckbeleg/Veroeffentlichungshinweis an: djd, Bahnhofstr. 44, 97234 Reichenberg oder an info@djd.de

5 dicas para iniciar as atividades home office

1. Vista-se como se estivesse trabalhando fora: sim, parece besteira, mas faz toda diferença. Dificilmente, ficar de pijama o dia todo te dará a sensação de responsabilidade, isso porque o seu cérebro já caracterizou tal vestimenta como aquela usada para momento de lazer, ou seja, dormir. Então, tome um banho e vista-se adequadamente.

2. Respeite o relógio: não pense que, porque está em casa está disponível para qualquer atividade na hora em que devia estar trabalhando. Não caia em tentação e, comprometa-se!

3. Tenha um local de trabalho organizado: reserve um local na casa que, de preferência não seja seu quarto. Assim como trabalhar de pijama, ficar o dia (ou noite) todo no quarto não desperta a sensação de trabalho, mas de lazer. Portanto, arrume um local específico para deixar seus dispositivos, agendas, anotações e cia. de maneira organizada e fluida pronta para o trabalho.

4. Não acumule atividades: se trabalhar em casa te dá a sensação de relaxamento ao ponto de levá-lo à procrastinação, o home office não é pra você! Fazer home office não é sinônimo de deixar atividades pra depois só porque não existe a supervisão ao vivo.

5. Seja sincero: tentou fazer home office e não se deu bem? Volte imediatamente para a empresa. Não comprometa sua imagem como profissional por uma tentativa que não deu certo. Nem todo mundo consegue ter foco e disciplina direcionados para esse tipo de situação. Esteja onde sua maneira de trabalhar lhe traga melhores frutos como boas condições de trabalho, entusiasmo, bons rendimentos…

10 sites para encontrar trabalho home office

WFH.io: Como o nome sugere (Work From Home) o site é específico para profissionais em tecnologia que desejam trabalhar remotamente. A ferramenta é gratuita!

Flex Jobs: Especialista em ofertas de trabalho de meio período e freelancer, o Flex Jobs é um dos mais famosos da lista. Com oportunidades “filtradas” por categoria e legitimidade o site oferece planos que variam entre US$ 14,95/mês e US$ 49,95/ano.

Virtual Vocations: De desenvolvimento de software a jardinagem, o Virtual Vocations dispõe de uma infinidade de oportunidades com trabalho de curadoria para avaliar a legitimidade de cada vaga proposta. É possível receber oportunidades semanais e os valores vão de US$ 6,99 a US$ 59,90 por seis meses.

We Work Remotely: Seja no Twitter ou diretamente no site as oportunidades são atualizadas diariamente e dividem-se por administração de sistemas, design, atendimento ao cliente e muito mais.

Authentic Jobs: Companhias como Apple, Facebook, MSNBC.com, ESPN, HBP, Electronic Arts e HP, entre outras grandes organizações estão no Authentic Jobs. Lá a preocupação com fraudes é levada muito a sério e diariamente surgem novas oportunidades.

Working Nomads: Com vagas listadas por ordem de publicação, fica mais simples encontrar as mais recentes e perder menos tempo com pesquisa. As ofertas são para projetos de desenvolvimento, design, administração de sistema e marketing.

Skip the Drive: Uma calculadora é disponibilizada para ajudar a computar o tempo e dinheiro economizados em termos de deslocamento realizando um trabalho em casa, assim como o nome do site sugere. Vagas legítimas são encontradas nas áreas de tecnologia, marketing e mais.

Remote Ok: Startups contratam para tempo integral ou parcial seja estágio ou carreira específica. Salário anual médio também podem ser pesquisados além das categorias de interesse.

Workatho.me: Também reconhecido pela curadoria de vagas, o site disponibiliza oportunidades de engenheiro de software a escritor técnico.

Remote Working: Além das diversas vagas, o site encaminha gratuitamente vagas de acordo com o perfil do candidato inscrito nos fóruns de discussão dentro do site. Eles estão também no Twitter.

Já trabalha ou trabalhou home office? Gostou da experiência? Comente!

Leia Mais

RULE

1º Brainstorming de Inovação Tegra: Discutindo Soluções Para Problemas Reais

A manhã do sábado, 09/01 foi de brainstorming na Tegra. Parte da equipe esteve junta para propôr soluções para problemas reais e urgentes. O resultado você confere abaixo!

O que é Brainstorming?

Alex Osborn, publicitário americano desenvolveu o método que tem como objetivo explorar ao máximo a capacidade criativa de um indivíduo ou de um grupo. É uma técnica eficiente para resolver problemas, desenvolver ideias e projetos e trabalhar o foco e interação da equipe.

Aqui a manhã começou com uma apresentação feita pelo sócio e diretor comercial da Tegra, Willian Polis falando sobre nosso propósito, visão, valores e a influência da tecnologia como principal fonte para a solução de problemas nos dias atuais. Ele falou ainda sobre as habilidades necessárias para inovar e preparou o terreno para a atividade.

O facilitador do nosso brainstorming foi o Caio Carrara que, com um olhar apurado e comentários pertinentes levou a equipe a pensar em problemas, desenvolver propostas de soluções, defender a ideia e debater muito.

O que a equipe achou?

Atividades como o brainstorming são capazes de incentivar e desenvolver os membros da equipe e ajudar, em especial, no relacionamento interpessoal.

“O Brainstorming, além de promover a interação da equipe me fez deixar de lado o pré-conceito e permitiu que eu soltasse a imaginação.” – Andréa Vieira, Auxiliar Administrativa

“Um sábado surpreendente. Mais um evento que agregou muito.” – Gustavo Fernandez, Analista Desenvolvedor

“Compartilhar ideias, expor opiniões, trabalhar em equipe são fatores que contribuem e fazem você se sentir parte do time e mostra que esses pontos fazem a diferença.” – Michelle Chrispim, Analista de Negócios

“Um evento que nos fez pensar em tecnologia como solução de inovação  para problemas do dia a dia.” – Samuel Pisa, Desenvolvedor

“Ótima iniciativa! Além de agregar ideias é trabalhado o relacionamento interpessoal do time.” – Marlon Santiago, Analista de Negócios

“Divertido, dinâmico, produtivo e muito esclarecedor.” – Carlos Ferrari, Desenvolvedor

Veja as fotos aqui!

 

 

Leia Mais