tendências tecnológicas

Tendências Tecnológicas de Alto Impacto para 2016

O Gartner Group empresa desenvolvedora de tecnologia e que tem mais de 35 anos de história listou as dez principais tendências tecnológicas de 2016. Olha só!

1. Malha de dispositivos – Refere-se a “um extenso conjunto de pontos utilizados para acessar aplicativos e informações ou para interagir com pessoas, redes sociais, governos e empresas. Ele inclui dispositivos móveis, wearables (tecnologias para vestir), aparelhos eletrônicos de consumo e domésticos, dispositivos automotivos e ambientais – tais como os sensores da Internet das Coisas (IoT).”

Com foco no usuário móvel o conceito visa interação entre dispositivos sem interferência humana, ou seja, M2M ou máquina a máquina. Maior tráfego de informações impactando diretamente na infra de empresas e operadoras.

2. Experiência ambiente-usuário – A mistura dos ambientes físico, virtual e eletrônico independente de onde o usuário se encontra de maneira contínua. Isso é possível e aprimorado de tempos em tempos de acordo com a malha de dispositivos. Experiência fuida explorando diferentes dispositivos.

3. Impressão 3D – Mesmo não sendo mais nenhuma novidade, a impressão 3D ainda dará muito o que falar em especial por sua prevista expansão de materiais a serem impressos que abrangerão setores que irão além do médico, automotivo, aeroespacial, de energia e militar. A média de crescimento é de 64,1% até 2019 resultando em reformulação de processos e cadeia de suprimentos.

4. Informação de tudo – Mais do que identificar informação seja em vídeo, áudio ou texto, trata-se de organização. Juntar pedaços, organizá-los de maneira a serem úteis ou não seja qual for sua fonte. Conexão de dados de diferente fontes.

5. Aprendizagem avançada de máquina – Ainda sobre fontes complexas e dados incompletos a ação manual se torna inviável. DNN ou Redes Neurais Profundas torna o aprendizado de máquinas possível que se conectam com recursos em seu ambiente fazendo a gestão de informação de maneira praticamento autônoma.

hands-coffee-cup-apple-1

6. Poder de decisão – Poder para resolver problemas e controlar situações de risco. Perfil que vai além do currículo e que exige visão ampla de negócios e tomada de decisão.

6. Agentes e equipamentos autônomos – Em vez de interagir com menus, formulários e botões em um smartphone, o indivíduo fala com um aplicativo, que é realmente um agente inteligente.

7. Relacionamento – Relacionar-se bem profissionalmente falando continua em alta. O que os outros profissionais e empresas por onde passou relatam a seu respeito pode ser determinante definindo os traços de personalidade e comportamento.

8. Arquitetura de sistema avançado – A malha digital e as máquinas inteligentes requerem demandas intensas de arquitetura de computação para torná-las viáveis para as organizações. Isso aciona um impulso em arquitetura neuromórfica ultraeficiente e de alta potência. Alimentada por matrizes de Portas Programáveis em Campo (FPGA) como tecnologia subjacente, ela possibilita ganhos significativos, como a execução em velocidades de mais de um teraflop com alta eficiência energética.

9. Aplicativo de rede e arquitetura de serviço – Designs monolíticos de aplicação linear, como arquitetura de três camadas, estão dando lugar a uma abordagem integrativa de acoplamento mais informal: aplicativos e serviços de arquitetura. Ativada por serviços de aplicativos definidos por software, essa nova abordagem permite desempenho, flexibilidade e agilidade como as da web.

Equipes de aplicativos devem criar arquiteturas modernas para fornecer utilitários baseados em nuvem que sejam ágeis, flexíveis e dinâmicos, com experiências de usuário também ágeis, flexíveis e dinâmicas abrangendo a malha digital.

10. Plataformas de Internet das Coisas (IoT) – As plataformas de IoT complementam o aplicativo de rede e a arquitetura de serviço. Gerenciamento, segurança, integração e outras tecnologias e padrões da plataforma são um conjunto básico de competências para elementos de criação, gestão e fixação na Internet das Coisas.

Essas plataformas constituem o trabalho que a equipe de TI faz nos bastidores, de um ponto de vista arquitetônico e tecnológico, para tornar a IoT uma realidade. A Internet das Coisas é parte da malha digital, que inclui a experiência do usuário, e o ambiente do mundo emergente e dinâmico das plataformas é o que a torna possível.

E ai, quais são as suas apostas em tecnologia e inovação para esse ano? Conta pra gente!

Estamos também no LinkedIn.

Thaís Ribeiro

Profissional de marketing com mais de 6 anos de experiência em produção de conteúdo para a internet. Especialista em gestão de mídias digitais, fortalecimento de marca e eventos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>